Faculty of Humanities

Tecendo redes antiracistas: África(s), Brasil e Portugal

Wednesday, 7 July 2021, 2-4pm

Watch recording here:

https://youtu.be/PwyzO2zJuKA

Speakers:

Eufémia Rocha (Universidade de Cabo Verde/ UniCV - Cabo Verde/ África): Os lugares da ‘raça’ em África: experiências de silêncios a partir de Cabo Verde

Leandro Santos Bulhões de Jesus (Universidade Federal do Ceará - UFC - Brasil): Memória e soberania intelectual de povos de terreiro, indígenas e quilombolas na pandemia: acervos na Universidade Federal do Ceará

Renísia Cristina Garcia Filice (Universidade de Brasília/ UnB -  Brasil): Tecendo redes antirracistas: África(s), Brasil, Portugal

Felipe Sotto Maior Cruz (indígena do povo Tuxá, doutorando em antropologia UnB)

Chair: Carla Cerqueira (Universidade Lusófona - Portugal)

 

Resumo Expandido:

Esta mesa desvela o racismo estruturante em suas interseções, evidencia resistências contra-coloniais, experiências e inteligências de pessoas diversas, que mostram como pensar cosmologias e vivências singulares, Tecendo Redes Antirracistas.Em Os lugares da ‘raça’ em África: experiências de silêncios a partir de Cabo Verde”, Eufémia Rocha traz a visibilidade que os migrantes oeste-africanos a residirem em Cabo Verde ganham, a partir de 1990, e coloca-os num lugar de estigmatização,e traz à tona objetos que se tornaram inexistentes ou foram silenciados. Debaterá narrativas sobre imaginário racial e raça, no pensamento social cabo-verdiano. Leandro Santos Bulhões de Jesus em Memória e soberania intelectual de povos de terreiro, indígenas e quilombolas na pandemia: acervos na Universidade Federal do Ceará, em meio à pandemia do Covid 19, reflete sobre os desafios e entraves  enfrentados pelos chamados povos tradicionais (povos indígenas, quilombolas e povos de terreiro). As vulnerabilidades implicam na manutenção de seus territórios, soberanias alimentares, territoriais, religiosas, políticas e, no limite, de suas próprias vidas, atualizando dramas coloniais. Relata isto no trabalho realizado com pesquisadores, ativistas e agentes sociais no “Museu digital das resistências anticoloniais - MURAL Covid 19” na UFC. Renísia C. G. Filice traz o projeto "Tecendo redes antirracistas: África(s), Brasil, Portugal"  criado em 2016 e composto por pesquisadores/as dos três continentes, articula teorias, ações e dificuldades de se consolidar novas epistemologias e práticas decoloniais e contra-coloniais, devido à prática do racismo estrutural que opera em países de língua oficial portuguesa, em particular o Brasil. Mestre Antônio Bispo “O saber orgânico e as resistências tradicionais no enfrentamento ao racismo” com sua fala ancestral compartilha seu saber orgânico e auxilia a entender a dinâmica do pensamento contra-colonial. Ele coroa e finaliza esta mesa que tem a pretensão de contribuir com “cosmologias diferentes”: “o euro-cristão-colonialista-monoteísta[...].É vertical, é linear, não tem curva. Ele pensa e age assim”.

About:

Eufémia Rocha – Possui doutorado e mestrado em Ciências Sociais pela Universidade de Cabo Verde. Professora auxiliar da Universidade de Cabo Verde. Pesquisadora vinculada ao Centro de Investigação em Ciências Sociais e Políticas (CICSP) e ao Centro de Investigação e Formação em Género e Família (CIGEF), ambos da Universidade de Cabo Verde (UniCV). Actua na área das Ciências Sociais, com ênfase em Antropologia, e tem experiência principalmente nos seguintes temas: Mobilidades e Migrações Internacionais na África Ocidental; Relações Étnico-Raciais, Racismo e Xenofobia; Género e Migrações; Religião Tradicional.

Leandro Santos Bulhões de Jesus - Historiador, licenciado e mestre pela Universidade do Estado da Bahia; com especialização, doutorado e pós-doutorado pela Universidade de Brasília. Coordenador do Núcleo de Documentação e Laboratório de Pesquisa Histórica do Departamento de História da Universidade Federal do Ceará, onde é professor da graduação e das pós-graduações em História e do Mestrado Profissional em Ensino de História. Tem pesquisas na área da História da África e da Diáspora africana, especialmente na história dos cinemas africanos e o cinema de Angola; história dos quilombos, com interesse nas questões por luta por território, memória, educação; Leis 10.639/03, 11.645/08 e teorias contra hegemônicas e contra coloniais. É colíder do Grupo de Estudos em Políticas Públicas, História, Educação das Relações Raciais e de Gênero - Geppherg/FE- UnB/UFC; integra a equipe de pesquisadores e ativistas do Tecendo Redes Antirracistas.

Renísia Cristina Garcia Filice - Profª Associada da Faculdade de Educação/Universidade de Brasília- UnB. Pós-doutora em Sociologia pelo Centro de Investigação em Ciências Sociais (CICS) Universidade do Minho (UMinho)-Portugal. Doutora em Educação/UnB. Atuou como Conselheira no Conselho Nacional para a Promoção de Políticas de Igualdade Racial - Cnpir . Líder do Grupo de Estudos e Pesquisas em Políticas Públicas, História, Educação das relações raciais e gênero (Geppherg). Membra ABPN - Associação Brasileira de Pesquisadores/as Negros/as. Membra do Neab - Núcleo de Estudos Afro-Brasileiros. Investigadora do PPGDH - Programa de Pós Graduação em Direitos Humanios(Ceam/UnB) e do PPGEMP - Programa de Pós Graduação em Educação Mestrado Profissional (FE/UnB). Políticas Públicas, Políticas Afirmativas, Pesquisa Educação e Direitos Humanos, com foco na transversalidade, intersetorialidade e interseccionalidade em raça, gênero e classe

Felipe Sotto Maior Cruz - Pesquisador indígena do povo Tuxá de Rodelas/Bahia. É desde 2018 professor na Universidade do Estado da Bahia (UNEB) Campus VIII no curso de Licenciatura Intercultural em Educação Escolar Indígena (LICEEI). Atuou como professor convidado pelo Centro de Estudos Avançados Multidisciplinares/NEAB/UnB na disciplina "Cultura, Poder e Relações Raciais" em 2017 e 2018. Possui graduação em Ciências Sociais pela Universidade Federal de Minas Gerais- UFMG (2014), mestrado em Antropologia Social pela Universidade de Brasília- UnB (2017) instituição na qual atualmente cursa o doutorado na mesma área. Tem desenvolvido estudos sobre Etnologia Indígena e Indigenismo enfatizando a dimensão das relações interétnicas, etnicidade, educação indígena, direito a diferença, relações raciais e direitos indígenas

Carla Cerqueira - Doutorada em Ciências da Comunicação - especialidade de Psicologia da Comunicação, pela Universidade do Minho. Professora auxiliar na Universidade Lusófona do Porto e investigadora integrada no CICANT - Centro de Investigação em Comunicação Aplicada, Cultura e Novas Tecnologias. Ao longo dos anos de investigação tem desenvolvido projetos e iniciativas na área dos estudos de género, diversidade e média.
Foi vice-coordenadora da secção de Género e Comunicação da Associação Europeia de Investigação em Educação e Comunicação (ECREA). Integra a Rede GAMAG (Global Alliance on Media and Gender) Europa, coordenando a equipa de Research & Policy. Além disso, participa em várias organizações científicas e não-governamentais na área dos direitos humanos, igualdade de género e feminismos. Integra o Conselho de Opinião da RTP em representação das ONG do Conselho Consultivo da CIG - Comissão para a Cidadania e a Igualdade de Género.